Desafio Literário - Janeiro 2013

7 de fevereiro de 2013

Como assim já é dia 7 de fevereiro? Viajei para Petrolina (aniversário de vó = 5 kg de docinhos...) e nem vi o tempo passar. Li menos do que gostaria no mês de janeiro, mas ainda estou dentro da média (4 livros / mês)!

Cuidado com os spoilers!

L'insutenable l'egereté de l'être (A Insustentável Leveza do Ser) - Milan Kundera
É um livro em que o desenvolvimento dos enredos erótico-amorosos se conjuga com extrema felicidade à descrição de um tempo histórico politicamente opressivo e à reflexão sobre a existência humana como um enigma que resiste à decifração - o que lhe dá um interesse sempre renovado. Quatro personagens protagonizam essa história - Tereza e Tomas, Sabina e Franz. Por força de suas escolhas ou por interferência do acaso, cada um deles experimenta, à sua maneira, o peso insustentável que baliza a vida, esse permanente exercício de reconhecer a opressão e de tentar amenizá-la. [Skoob]
Ganhei esse livro de presente em francês (apesar de Milan Kundera ser tcheco, esse livro foi publicado originalmente na França e só um ano depois, em 1985, foi publicada a sua versão original na então Tchecoslováquia), e mesmo fazendo várias pausas para dar uma olhada no dicionário, não consegui largá-lo por quase uma semana. Gostei bastante, mas acredito que preciso reler com mais calma, quem sabe daqui há alguns anos, e talvez apreender coisas novas (e anotar mais frases, eita livro com frases boas de guardar num caderninho!).

O livro fala sobre amor, fidelidade, arte, poesia, questões políticas (especialmente sobre a invasão dos soviéticos a Praga em 1968, e que me deixou com muita vontade de ler mais sobre a história política desse período), entre outras coisas. Mas o que me fascinou mesmo foi o debate constante entre leveza versus peso, que permeia toda a obra. O autor fala em um ponto que a vida acontece apenas uma vez e que não podemos determinar se uma decisão é melhor ou pior que outra por não podermos comparar com decisões tomadas nas mesmas situações em outras vidas. Acho que isso me impactou tanto por estar em um momento na vida em que preciso fazer escolhas que vão mudar bastante o meu rumo e onde também percebo o peso das decisões que fiz até o momento.

Enfim, o livro também inspirou um filme, de 1988, com o meu amado Daniel Day-Lewis e a Juliette Binoche, mas depois de ler resenhas tão negativas e de como o autor ficou tão decepcionado com essa adaptação que não permite que seus outros livros sejam adaptados, decidi não ver. Acho que é melhor assim, mas se alguém que leu o livro e viu o filme achar o contrário, por favor, deixar um comentário!

The Idiot (O Idiota) - Fiódor Dostoiévski
Este livro de Dostoiévski narra o destino do príncipe Michkin - um homem destituído de qualquer maldade - que se vê atraído pela bela e contraditória Natascha Filipovna. O enredo revela o drama da condição humana, a dúvida entre o bem e o mal, o desejo e a renúncia, o altruísmo e o apego profundo de si. [Livraria Cultura]
Como fazer uma resenha de um clássico da literatura russa que tem quase 600 páginas? Não faço a menor ideia de como começar! O que posso dizer é que, apesar de às vezes maçante, foi uma leitura incrível e que me fez pensar bastante. É uma história trágica de um triângulo (quadrilátero? polígono?) amoroso, criada por Dostoiévski inspirado em Dom Quixote. O enredo e a complexidade dos personagens me lembraram mais uma novela mexicana, mas uma boa novela mexicana (se é que dá para entender...)! Me peguei emocionalmente ligada ao personagem principal, o Príncipe Michkin, um epilético que acabou de chegar da Suíça onde estava fazendo tratamento e que tenta se integrar à sociedade russa da época. E é uma pessoa, bem, idiota. Mas no sentido de ingênuo e inocente, pois apesar do que muitos pensam, ele é muito inteligente.

Acho que vale a pena ler sim, mesmo que aos poucos, apesar de toda a sua prolixidade. Sim, o livro chega a ser bastante prolixo, especialmente quando algo emocionante acontece e é preciso ler vários capítulos de acontecimentos nenhum pouco relevantes para saber o que acontece. Enfim, quem diria, eu tive vontade de ler esse livro por causa de uma frase tatuada no braço esquerdo do tenista sérvio Janko Tipsarevic - "A beleza salvará o mundo".

150 Lições Para Você Aprender a Fotografar (150 Projects To Strengthen Your Photography Skills) - John Easterby
Aspirantes a fotógrafos que acreditam que a câmera é a melhor ferramenta para capturar a forma como enxergam a realidade, podem se apoiar neste livro tanto para aprimorar seu trabalho quanto para conhecer o legado deixado por artistas renomados, como Henri Cartier-Bresson. Desde que foi criada, nos anos 1830, a fotografia exerceu um fascínio inexplicável sobre a consciência coletiva. Hoje, praticamente dois séculos mais tarde, ela move diversos setores da economia. A indústria do turismo é alimentada pelo desejo que consumidores têm de visitar destinos que conhecem apenas por fotos, e é praticamente impossível pensar na indústria da moda sem a fotografia. A publicidade, por sua vez, dificilmente cria anúncios sem o auxílio dessas imagens. O livro 150 lições para você aprender a fotografar dá aos leitores dicas sobre como fotografar com criatividade e qualidade, seja com fins comerciais ou por hobby, em ambientes a céu aberto, estúdios ou residências. [Skoob]
Bem, essa sinopse diz tudo sobre o livro! Achei bem legal, com dicas interessantes sobre como fotografar melhor, como também de forma criativa e original. Vou tentar colocar alguns dos projetos propostos em prática, ver se melhoro na hora de tirar fotos aqui para o blog e tentar tirar mais (e melhores) fotos em geral.

E, por último, li Cidade dos Ossos, da Cassandra Clare. Esse livro foi legal de ler, mas apenas isso. Talvez eu não esteja mais tão interessada em ler livros Young Adult que falem sobre romances paranormais, ou talvez eu não consiga gostar de uma obra quando não gosto nenhum pouco da autora. Acho que vou escrever um post mais elaborado sobre cyberbullying, plagiarismo e como gostar de uma obra se você não gosta do autor. Quem quiser ler mais sobre a Cassandra Clare no momento, recomendo esse link aqui (em inglês).
© Desopilar. Design by FCD.